Boletim Informativo – Ano 07, Março de 2013 – Número 01
22/03/2013
RESENHA: Coaching Executivo e Empresarial
08/06/2013
Exibir tudo

RESENHA: Coaching Executivo, uma questão de atitude

Por Antônio T. T. Tupy

A leitura da Apresentação e do Prefácio de um livro é sempre um fator de motivação importante e criador de uma expectativa que me impulsiona na dedicação que terei nos momentos futuros na companhia do mesmo.

Nesse caso, como diz Luiz Carlos Cabrera (prof. da FGV-EAESP) na Apresentação, esse livro “tem esta missão: criar uma referência e desenvolver um padrão ético e profissional para uma atividade emergente que, … tem apresentado ao mercado formas, desenhos e propostas muitas vezes confusas e inconsistentes”. Ou, como mais sinteticamente diz John A. Davis (Palestrante Sênior da Harvard Business School) “em seu livro excelente e compacto, João Mendes, Luiz Visconte e Vicky Bloch nos contam e mostram como é o processo de um bom trabalho de coaching”.

A obra está dividida em 8 capítulos que sintetizam uma visão global do que é esse “fenômeno do relacionamento humano” conhecido como Coaching. E com uma contribuição muito especial de Coachees dando testemunho do processo por que passaram, enriquecendo-a sobremaneira.

Ela é indicada para aqueles que pretendem atuar como Coach, para os que querem entender o que é o processo de Coaching e para quem toma decisão na indicação e na escolha do profissional Coach.

Os autores iniciam a obra em “O que nos move” onde explicam suas razões para escrever o livro, com pensamentos do tipo: “só faz sentido dedicar-se a essa atividade (Coaching) quem teve, ao longo da vida, muita vivência no lidar com o desenvolvimento de pessoas”, “ter um genuíno interesse em pessoas”, “quanto mais atuo junto a pessoas no seu desenvolvimento, mais me questiono o quanto ainda preciso aprender e o quanto de cuidado preciso ter, pois cada caso é um caso, casa pessoa é um ser único”.

Assim começam por estabelecer parâmetros para o exercício dessa atividade e para ajuda no processo de escolha do Coach por parte dos tomadores do “serviço”.

Introdução
Os autores dão ênfase na preocupação com a seriedade da profissão no cenário atual das organizações em transformação constante – “dentro desse universo novo e em ebulição, abriu-se um enorme mercado, dando espaço para que amadores e aventureiros se misturem a profissionais sérios no exercício da atividade”.

O conceito
Para aproximar-se do esclarecimento do conceito de Coaching, uma viagem pelo tempo foi feita sobre a importância do foco nas pessoas no ambiente de trabalho, começando com Hawthorne, passando por Carl Rogers, Maslow, Herzberg, chegando a Peter Drucker, Peter Senge e outros.

Tudo isso para conceituar adequadamente Coaching e diferenciá-lo de outras abordagens tipo Mentoring, Counseling, Terapia e ferramentas que também são importantes para mostrar “que saber se relacionar adequadamente no ambiente de trabalho é uma competência fundamental tanto para o sucesso das organizações como dos indivíduos”. Definições são apresentadas para ajudar no entendimento do conceito.

Abordam também que o cenário de competição “…[levou] à necessidade de autogestão da carreira e o Coaching aparece como parte do cardápio de alternativas que o profissional possui para se conhecer melhor…. e ter maior capacidade de tomar decisões na sua vida pessoal e profissional”. “Quem está à frente do movimento e conduz o protagonismo é o próprio profissional cliente do processo e não o Coach”.

O Coaching Executivo
Definição final de Coaching Executivo, reflexão sobre a real necessidade de Coaching, a importância da relação de parceria a ser estabelecida, as diferenças e conflitos do Coaching Interno e Coaching Externo, o papel do Líder Coach e da área de RH são trabalhados nesse capítulo.

Um dado importante que não é explorado no processo de escolha do Coach neste momento é a necessidade da Empatia entre o Coachee e o Coach.

O processo do Coaching Executivo
Nesse capítulo é apresentada uma estrutura básica do processo de Coaching e ressaltada a necessidade do trabalho ter essa estrutura básica. O uso de instrumentos para facilitar a auto percepção fará com que o “executivo [seja] é levado a identificar e sistematizar o caminho que o conduzirá da situação atual para a desejada”.

Identificar, analisar e refletir sobre possíveis alternativas, definir caminhos específicos, elaborar planos de ação e estabelecer sistema de controle e acompanhamento das ações” são trabalhadas nessa estrutura básica, com a identificação das fases, ações extra reuniões, onde realizar as seções, prazo para o processo, a importância do envolvimento dos stakeholders, etc.

Casos
Vários exemplos são apresentados para ajudar no processo de entendimento do papel de todos os envolvidos.

Valores e Questões Éticas
Destaque para esse capítulo que enfatiza a questão da Confiança e da Confidencialidade para o sucesso do processo de Coaching, clarificando o papel do Coach, do Coachee e do líder do Coachee.

Perfil do Coach
Riscos na escolha do Coach são lembrados para ressaltar o perfil do profissional a ser escolhido. Além disso, com base nas competências que ele deve ter, alguns comportamentos para assegurar o sucesso do processo são ressaltados, tipo questionamentos permanentes, trazer à tona o que não está sendo visto e ajudar o Coachee a ver as consequências de suas decisões.

Finalizando, os autores ressaltam algumas características que o Coach precisa ter, incluindo aí a humildade em admitir sua vulnerabilidade, o aprendizado sempre presente e a necessidade de seu autoconhecimento.

O Coachee
Competências e características que o Coachee precisa ter para assegurar o sucesso do processo são ressaltadas, assim como entender que ele pode ter “vulnerabilidades” é essencial.

Se o objetivo do indivíduo é tornar-se melhor, o Coaching é “uma atividade facilitadora de crescimento humano”.

Neste momento a “empatia” entre o Coach e o Coachee é tratada como fundamental.

Finalizando, sites para consultas e referências são apresentadas com comentários.

O fato de trazer a visão de profissionais com larga experiência na atividade, casos, o testemunho de profissionais que passaram pelo processo de Coaching (“Palavra de quem já fez”) e uma extensa bibliografia comentada tornam o livro um excelente instrumento de reflexão e ponto de partida para o Coach, para os interessados em conhecer a atividade e para os tomadores do processo, quer sejam clientes, quer façam parte do processo decisório.

Publicado em 07/06/2013

Referências Bibliográficas

BLOCH, Vicky; MENDES, João; VISCONTE, Luiz. (2012). Rio de Janeiro: Elsevier.